Betim apresenta balanço com os números de atendimentos nos Cecovids

0
495
Divulgação/PMB

A Prefeitura de Betim fez um balanço dos atendimentos realizados nas unidades exclusivas de tratamento da Covid-19 em Betim – o Hospital de Campanha (Cecovid2) e Centro de Cuidados Intensivos (Cecovid4), no Centro Materno Infantil. De abril a dezembro, o Hospital de Campanha recebeu 1.012 internações e 527 pacientes atendidos testaram positivo para a doença. Já no Cecovi4, foram 1.248 internações e 534 pacientes confirmados com a Covid-19.

No Hospital de Campanha, a faixa etária da população que mais demandou internação foi de 60 a 69 anos, com 22% das internações; seguida das faixas de 70 a 79 e de 80 a 89 anos, ambas com 17%; e de 50 a 59 anos, com 16%. Os homens foram a maioria entre os internados, com 51% das internações.

No Cecovid4, as faixas etárias se repetem, com maior demanda de internação de pessoas entre 60 e 69 anos; seguida da faixa de 70 a 79 anos, com 22%; e de 80 a 89 anos, 16%. A maioria das internações também são de pacientes do sexo masculino, 57%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o secretário de Assistência à Saúde, Hilton Soares, mesmo com a redução do número de casos da Covid-19, a partir de outubro, os dois hospitais não foram desmobilizados, o que garantiu a continuidade do atendimento com o novo aumento dos casos. “Diferentemente de outras cidades, que fecharam os leitos exclusivos para Covid-19, Betim manteve os dois equipamentos em funcionamento, o que nos permitiu continuar atendendo e salvando vidas, quando os casos de Covid-19 voltaram a subir, a partir de dezembro,” afirmou.

Ao longo da pandemia, os leitos das duas unidades foram ampliados e desativados gradativamente conforme a demanda. Durante o pico de casos, em agosto, 80 leitos ficaram ativos no Hospital de Campanha e 100 no Cecovid4. Após o pico da pandemia, as menores taxas de ocupação operacional foram registradas em setembro, sendo de 35% no Hospital de Campanha e de 81% no Cecovid4.

Além das incertezas trazidas pela pandemia, uma das principais dificuldades operacionais enfrentadas foi o recrutamento de profissionais capacitados e qualificados, principalmente para atuar no CTI, em tempo muito curto devido ao aumento expressivo de pacientes e consequente demanda de leitos. Outra dificuldade, principalmente no início da pandemia , foi a garantia de insumos e equipamentos para o atendimento adequado dos pacientes.

Os Cecovids Betim

Em 2020,a Prefeitura de Betim instalou no município duas estruturas hospitalares exclusivas para atender pacientes suspeitos e confirmados para a Covid19, evitando, assim, desarticular e sobrecarregar a rede pública de saúde do município.

O Hospital de Campanha (Cecovid-Betim 2), em funcionamento desde 8 de abril, tem capacidade para 120 leitos, sendo 115 de observação e 5 de UTI. A unidade foi criada para atender a pacientes de risco moderado com suspeita clínica da Covid-19, que precisem de internação de baixa complexidade. Ele está instalado no Fiat Clube, no bairro Jardim Petrópolis em Betim.

O Centro de Tratamento Intensivo para Covid-19 (Cecovid-Betim 4), em funcionamento desde 4 de abril, foi aberto para atender casos mais graves com suspeita de Covid-19, com necessidade de internação em CTI. A unidade tem capacidade para instalação de até 120 leitos de CTI e 50 leitos clínicos. Ele está instalado no prédio do futuro Centro Materno Infantil (CMI), no bairro Jardim Brasília, ao lado do Hospital Público Regional de Betim.

As duas unidades são referência para a região de saúde de Betim que é composta por 13 municípios, abrangendo uma população de cerca de 800 mil habitantes. Ambas recebem, também, pacientes de outros municípios de Minas Gerais, por meio da Central de Regulação de Leitos do Estado.

De acordo com o secretário de Assistência à Saúde, os dois Cecovid de Betim são equipamentos de extrema importância para enfrentamento da pandemia. Foi graças a um esforço conjunto entre a Prefeitura, envolvendo as secretarias, que a Secretaria de Saúde conseguiu operacionalizar a abertura e o funcionamento dos leitos, prestando assistência oportuna aos pacientes, evitando um maior número de óbitos.

Integração com a rede de saúde

Os dois Cecovids trabalharam integrados com a rede de saúde de Betim para promover um melhor acompanhamento dos pacientes quando recebem alta hospitalar. Através do Sistema SISCOVID, da Diretoria Operacional de Saúde, é feito o monitoramento dos contatos domiciliares dos pacientes internados, evitando o agravamento e prevenindo a disseminação da Covid-19. Pelo mesmo sistema, as Unidades Básicas de Saúde são informadas das altas hospitalares para que os pacientes sejam monitorados até a total recuperação. Além disso, a desospitalização é feita em conjunto com as equipes do programa Melhor em Casa, garantindo o acompanhamento do paciente caso precise de assistência em casa após a alta hospitalar.